Santiago

Santiago – Dicas Gerais

Vamos aos poucos tentar tirar as teias de aranha daqui, né?

A correria dos últimos tempos não me deixou postar muito ou quase nada, mas com o feriado do Carnaval aproveitei pra descansar e viajar, o que vai render muitos posts!

Estive viajando nos últimos 9 dias para Santiago, no Chile. Fomos eu e meu namorado conhecer um pouquinho da cidade e descobrir várias coisas legais! A vida de concurseiro não é fácil, então aproveitamos pra descansar bastante e sair um pouco da rotina de livros, aulas, exercícios e mais livros!

Antes de começar com o roteiro, preciso falar que eu sou a louca da organização (em alguns aspectos), então, desde o momento que decidimos viajar, já fui atrás de lugares pra conhecer, o que não poderia faltar, quais os melhores passeios e tudo! Essa saga não seria tão feliz se não fossem as pesquisas que fiz na internet, os milhares de blogs de viagem que li e as dicas de amigos que já estiveram por lá! #ObrigadaPessoal

Decidi então, dividir os posts da viagem primeiramente dando dicas gerais e depois vou postando nosso roteiro dia a dia. Melhor assim, né?

A vista linda do avião já mostrando que a viagem iria ser inesquecível!

A vista linda do avião já mostrando que a viagem iria ser inesquecível!

Dinheiro

A moeda do Chile é o peso chileno, que é um pouco mais desvalorizado em relação ao real, mas que por causa dos grandes valores atribuídos às notas, quase não percebemos isso… rs! Lá existem notas de $1.000, $2.000, $5.000, $10.000 e $20.000.

Ou seja, provavelmente você vai pagar por uma garrafinha de água, uns $1.000 pesos chilenos!

Imagina se aqui no Brasil também fosse assim! hehe...

Imagina se aqui no Brasil também fosse assim! hehe…

Inicialmente é complicado, mas fazendo a cotação média de R$5,00 = $1.000, as contas vão ficando mais fáceis na cabeça! (obviamente isso depende do câmbio da época)

Quando tratamos de dinheiro, além do valor certo a se levar numa viagem, surgem outras inúmeras dúvidas: Devo fazer o câmbio no Brasil ou no Chile? Se for fazer câmbio no Chile, devo levar reais ou dólares comigo? Vale a pena levar o Visa Travel Money ou sacar em moeda local nos caixas eletrônicos? E cartão de crédito, não é mais prático?

Vou dar a dica do que fizemos e deu muito certo, mas é importante deixar o leque aberto para outras possibilidades.

Quando compramos as passagens, no final do ano passado, o dólar estava a R$2,20, mas por bobagem nossa não compramos, o que foi um prejuízo tremendo, mas que só mais tarde iríamos nos dar conta! Mas se você já tiver dólares, provavelmente será uma boa ideia levá-los. Como a moeda é forte, certamente a taxa será mais competitiva, mesmo considerando as duas conversões (reais para dólares no Brasil, e dólares para pesos no Chile).

Decidimos então comprar um pouco de pesos chilenos aqui no Brasil, nessas casas de câmbio que tem em shoppings, para não ter problemas na chegada lá e também para não precisarmos trocar dinheiro logo no aeroporto, já que a cotação deles é sempre menos favorável.

Dessa forma, ao chegar lá já pagamos o táxi e ainda fomos ao supermercado, para só no próximo dia trocarmos mais dinheiro.

A boa dica aqui é trocar dinheiro na Calle Augustinas, onde estão localizadas a maioria das casas de câmbio da cidade. É uma praticamente ao lado da outra, o que facilita muito verificar qual a cotação mais favorável.

Só para comparação: nas casas de câmbio daqui do Brasil, R$500,00 equivaliam a $100.000,00, já lá na Calle Augustinas, R$500,00 eram $111.000,00! 😉

Onde ficar

Sempre que fiz minhas pesquisas, indicavam que a melhor localização é no Bairro Providencia, já que ele está super próximo de bons restaurantes e a poucos passos do metrô.

Não sei bem definir onde ficamos, porque ao alugarmos o flat, nos informaram que era no Bairro Providencia, mas ao chegarmos lá percebemos que não era bem assim… Mas em nada atrapalhou o nosso passeio, uma vez que ficamos entre o Bairro Santa Lucia e o Centro.

Acabou que nossa localização foi ótima, a uns 2 quarteirões do metrô, super perto do Centro Histórico e para fechar com chave de ouro, tinha um supermercado do lado do Hotel! #NãoPrecisavaDeMaisNada

A única parte ruim era que por estar perto do centro, a movimentação era sempre muito grande, muitas pessoas na rua, então o cuidado tinha que ser redobrado!

Ficamos em um apart hotel (Altamira ApartHotel), com cozinha, salinha e uma suíte, outra ótima escolha, assim podíamos ficar livres para comer em ‘casa’ quando fosse necessário! Nada a reclamar sobre a nossa estada, adoramos nossa casinha por 9 dias!

Nossa salinha e nossa cozinha!

Nossa salinha e nossa cozinha!

Transporte

A maioria do nosso deslocamento por lá foi feito por meio de metrô (que falta que isso faz por aqui!), já que pertinho do nosso Hotel tinha uma Estação e a cidade é bem mapeada.

Olha o tamanho!

Olha o tamanho!

Há estações de metrô perto da maioria dos pontos turísticos, o que facilitou muito!

Foram poucos nossos deslocamentos por táxi, mas esses também não são caros se comparados com os preços daqui do Brasil. Utilizamos táxis apenas para os deslocamentos para o aeroporto e na parte da noite, quando o metrô já não funcionava mais ou também por questões de segurança.

A melhor dica aqui é comprar o cartãozinho BIP, que pode ser recarregado facilmente nas estações de metrô, e serve tanto para o metrô quanto para suas conexões com ônibus. Ele funciona em sistema de “Bilhete Único”, ou seja, você paga 1 tarifa e pode pegar até 3 ônibus ou metrô + 2 ônibus no período de 2 horas. Legal, né?

Super simples!

Super simples!

Acho que com essas três dicas já dá pra começar a planejar uma viagem, né?

Qualquer dúvida ou observação que tiverem é só comentar aqui que a gente vai se ajudando!

Aguardem os próximos posts! Aos poucos vou contando como foi legal conhecer Santiago!

Anúncios